RUFINO P. RAVIA

RUFINO PEDRO RAVIA GONZALEZ




Tenente-Coronel da Guarda Nacional, comerciante e maçom liberal republicano. Nasceu em Montevideo em 1825, filho de Gerônimo Ravia Otorgués e Sebastiana Ravia Gonzalez, neto de Domingo Francisco Ravia e Eufemia Isabel Otorgués Perez. Foi nomeados oficial-chefe do primeiro regimento da Guarda Nacional da Cavalaria de Fora dos Muros, em 9 de maio de 1858, conforme relatado pelo Botetim Histórico do Estado-Maior do Exercito, onde lutou em defesa de sua pátria. Combateu os conservadores e lutou pela democracia e o desenvolvimento social e econômico do Uruguay.


Na Ordem Maçônica Não se sabe quando foi iniciado, sabe-se que era membro do antigo Gran Oriente del Uruguay y seu Supremo Consejo - GOU-SC, atualmente, Grande Loja do Uruguai. Na Grande Assembleia Geral de 10 de setembro de 1881, na redação do novo Código Maçônico votou contra o aumento de capitação, defendeu e colaborou com a reforma de 1881 realizada pelo Dr. Jimenez Arechaga na redação do novo código maçônico do Grande Oriente do Uruguai, acreditava em uma maçonaria participativa e liberal.


Em fevereiro de 1882, após desligado do GOU-SC, no mesmo mês se reuniu com diversos maçons liberais, defensores da democracia e da república uruguaia, sob o comando do Dr. Justino Jimenez de Aréchaga, fundaram e instalaram uma nova potência maçônica em Montevideo, denominada de Gran oriente de la Republica Oriental del Uruguay, com a participação intensa dos mais renomados maçons liberais uruguaios: Anacleto Dufort y Alvarez; Antônio Barreiro y Ramos; Antônio Campos; Cárlos Sanquírico y Ayesa; Casimiro Augusto Ponce Pfaffly; Eloy Úcar y Reverón; Felipe Belmont; Francisco Campos; Félix León Rebour; Geremías Panizza; Honorato Fernando Ygnasio Font Merce; José Brígido Miranda Cabrera; José Jaume y Bosch; José Majó y Fluvia; Justino Jimenez de Aréchaga Moratório; Juan Carlos Ferreira; Juan Antônio Martinez; Juan Sosa Guimaraenz; Lino Abelino Garcia Arroyo; Lorenzo Pérez; Manoel Novoa; Miguel Jaume y Bosch; Narciso del Castillo Filho; Nicolás Chápores; Orosmán Moratorio Carbonell; Rafael Cuínãs; Ramon Souto; Rufino Pedro Ravía Gonzalez; Sebastian Ferrer y Barceló; Secundino Amaro; Thomás Aquino Joaquin Alexo Claramunt y Roura; Telmo Pérez; Valentin V. Vallejo.


As seis lojas maçônicas regulares que fundaram e instalaram o Grande Oriente da Republica Oriental do Uruguai foram as seguintes: Respeitável Loja Hiran, instalada em 21 de agosto de 1867, no Oriente de Salto, Rito Escocês Antigo e Aceito; Respeitável Loja Libertad, instalada em 18 de maio de 1876, Oriente Buenos Aires, Rito Eclético; Respeitável Loja Igualdad (antiga Logia Virtud y Secreto), fundada em 1854 no Grande Oriente de Montevideo e reinstalada no Grande Oriente do Uruguay, em 28 de setembro de 1861, Oriente de Union, Montevideo, Rito Francês ou Moderno; Respeitável Loja Reforma, instalada em 1881, Oriente de Paysandú, Rito Francês ou Moderno; Respeitável Loja Porvenir, instalada em 1882, Oriente de Mercedes, Rito Francês ou Moderno; Respeitável Loja Unión Fraternal, instalada em 1882, Oriente de Montevideo, Rito Francês ou Moderno. Nos meses seguintes a sua fundação aderiram ao Grande Oriente da Republica Oriental do Uruguai outras lojas maçônicas, tais como; Respeitável Loja Armonìa, instalada em 1878, Oriente de Dolores, Buenos Aires, Rito Eclético; Respeitável Loja Artes e Ciencia, instalada em 1882, Oriente de Buenos Aires, Rito Eclético; Respeitável Loja Progreso Social, instalada em 1872, Oriente de Montevideo, Rito Francês ou Moderno. Com o passar do tempo foi fundadas outras lojas maçônicas em solo uruguaio. Sua Constituição Maçônica foi promulgada em 04 de maio de 1882. Esse novo Grande Oriente tinha como base os princípios democráticos liberais- republicanos, "O Direito a Liberdade e a Democracia" era sua bandeira. Esse novo Grande Oriente era o marco da democracia uruguaia, "Propagandista dos Movimentos Liberais". Em 1884, o novo corpo maçônico autorizou as suas lojas e seus membros difundirem em solo uruguaio e argentino "Os Movimentos Liberais Republicanos".


Rufino Ravìa foi Venerável Mestre de várias lojas, sendo sua última, a Loja Maçônica Reforma. Eleito cargo de Grão-Mestre do Grande Oriente da Republica Oriental do Uruguai (Gran Oriente de la Republica Oriental del Uruguay) em 1885. Esse Grande Oriente fundado e instalado em Montevideo, em 19 de abril de 1882, foi marco da Maçonaria Liberal Republicana Uruguaia.


Rufino Ravia contraiu núpcias com d. Virginia Ravìa Ramos e com ela teve filhos, dentre eles: Nicolas Ravìa Ramos. Ela faleceu em 1883 e Rufino faleceu em Montevideo em 1888.